quarta-feira, 21 de junho de 2017

Em relação a Pedrogão Grande...

Em primeiro lugar não há palavras para descrever a tragédia que aconteceu em Pedrogão Grande e nos concelhos vizinhos, não há palavras que devolvam força e alegria aos familiares das vitimas. O meu coração está com eles.
Em segundo lugar, neste momento, o que todos temos de fazer é ajudar de alguma forma, com donativos quer seja monetários quer seja bens alimentares ou pessoais ou de outra qualquer forma.
Ao contrário da maioria das pessoas não vou escrever contra os bombeiros, a GNR, as forças especiais em terreno, os aviões ou contra quem está a comandar esta operação toda.
Hoje venho só criticar o mau, ruim, vergonhoso, péssimo jornalismo que se faz em Portugal.
Ontem, praticamente toda a imprensa noticiou a queda de um avião. Quem foi a primeira redação ou estação televisiva a fazê-lo não importa, pois como se sabe as noticias, falsas ou verdadeiras não importa, desde que sejam catastróficas correm à velocidade da luz. Hoje em dia já ninguém se importa de ir confirmar as fontes, ir ao local, falar com testemunhas. Não! Se X redacção noticiou é porque lá tem as suas fontes.
Com todas as noticias a surgirem da queda de um avião, de uma fonte até hoje desconhecida, o comandante operacional suspendeu algumas operações de salvamento e protecção que estavam a decorrer para organizar uma operação de resgate e salvamento para uma suposta queda de um avião que só os meios de comunicação tinham conhecimento. Foi então organizada uma operação para responder a uma noticia falsa.
E hoje, depois de tudo o que aconteceu a imprensa toda arma-se em sonsa, cria teorias da conspiração, acusa o comandante da protecção civil, o governo, a GNR, os bombeiros e todas as forças especiais de má coordenação, de má organização, da não eficácia na resposta a esta tragédia. Tenham vergonha na cara senhores jornalistas.
Se há uma má gestão, coordenação dos operacionais e operações em curso? É possível, não sei, não percebo nada disso, e deixo isso para os especialistas que já tiveram que gerir 1000 e tal operacionais numa catástrofe desta dimensão, (que pelos vistos são imensos, aliás, Portugal tem tragédias destas todas as semanas.)
Respeitem as vitimas e as suas famílias, informem o país correctamente, parem com as teorias da conspiração que só destabilizam quem está à frente disto tudo! Sejam íntegros.
E parem de fazer reportagens ao lado de cadáveres.

1 comentário: